PRÓLOGO [decupagem]

LAJE – EXT – FIM DE TARDE

Jovens caminham sobre o parapeito das ruínas e se encaminham para um abrigo.

NETO (18) está de pé em uma laje alta. Ele tenta plantar bananeira, por vezes consegue permanecer por um tempo, mas noutras perde o equilíbrio e cai.

Quando consegue se estabilizar  na posição,  observa  os amigos que estão sentados e deitados mais próximos à beira da laje:

GIGANTE (18) tem o olhar perdido ao longe;

CRACA (17) fuma um cigarro, POLENTA (17) mexe no celular, enquanto Fú (17) encostado no  andaime bola um baseado;

BETÃO (35) e DAYANE (19) dividem uma latinha de cerveja, a moça acarinha a cabeça de um cãozinho deitado no seu colo.

ANA (17),  bebe uma latinha de cerveja;

Quando resta apenas um filete de luminosidade escura no céu, Ana se levanta e começa a soprar algumas bolhas de sabão, provocando o cãozinho.

O cachorro se levanta e, animado, pula tentando estourar as bolhas com  a boca. Cruzando o céu, apenas o brilho  das bolhas e as silhuetas do cão. Indo em direção à uma bolha, o cãozinho acaba pulando no vazio e cai da laje.

Alarmados pela  queda do animal, ouvimos que um a um os amigos descem do terraço e se encaminham para o jardim.  Neto é o único que permanece. Ele olha para baixo e observa a movimentação dos amigos que tentam salvar o cão morto.